Empresário é acusado de comprar dólares antes de delação do irmão Joesley, antevendo-se aos impactos que a economia brasileira sofreria

Wesley Batista, dono da JBS, sofre nova denúncia do MPF por informações privilegiadas

Jorge William/Agência O Globo

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou mais uma vez Wesley Batista, dono da JBS, pelo crime de informação privilegiada (insider trading).

Deste vez, o empresário é a acusado pela compra de dólares feita pela Eldorado Brasil, produtora de celulose da J&F Investimentos, e pela Seara, produtora de aves e suínos que pertence à JBS, nos dias que precederam à divulgação da delação premiada dele e do irmão Joesley Batista.

Ação da JBS já subiu 75% neste ano e alta parece não ter fim

Em outubro de 2017, o MPF já havia denunciado Wesley e o irmão pelos crimes de manipulação de mercado e uso de informação privilegiada pela compra de dólares pela JBS e pela venda de ações da companhia.

“Sabedor dos impactos que tais informações causariam na economia do país – quais sejam: uma inevitável alta do dólar –, Wesley resolveu se beneficiar financeiramente da instabilidade econômica que seria ocasionada com a divulgação dos termos da colaboração premiada e das provas apresentadas”, afirmou a procuradora da República do MPF, Thaméa Danelon, em nota à imprensa divulgada nesta terça-feira pelo MPF.

De acordo com o Ministério Público Federal, as compras de contratos de dólar a termo pela Eldorado e pela Seara renderam quase R$ 70 milhões. Segundo o órgão, as compras realizadas nos dias que antecederam a divulgação da delação (o acordo veio à tona em 17 de maio de 2017) eram atípicas.

No caso da Eldorado, foram adquiridos, entre 9 de 16 de maio, contratos no valor total de US$ 280 milhões. Por sua vez, a Seara realizou a compra de US$ 25 milhões entre os dias 10 de 16 de maio de 2017. Segundo o MPF, o montante é 50 vezes superior à média das operações que a empresa vinha realizando no mercado de câmbio desde o segundo semestre de 2016.

Fonte: Valor Investe

1-5 PG - Salão do Automóvel
2-2 PG - Infotech
3-2 PG - Espaço Regional
1-1 PG ELETRIBEL