Programa de entrevista há 32 anos no ar, Roda Viva foi responsável pelo pico de interesse de 6 presidenciáveis no Google até agora

De olho no tempo de tevê, as disputas pelas alianças partidárias movimentam os presidenciáveis no final da pré-campanha. Mesmo com as redes sociais assumindo papel de destaque nas eleições, a televisão ainda tem protagonismo no debate político brasileiro e consegue pautar a discussão nas redes. Não é preciso ir longe para perceber isso: desde o início do ano, o que mais gerou interesse a respeito dos candidatos – sem levar em consideração Lula e Jair Bolsonaro – no Twitter e em buscas no Google, foi um dos programas mais tradicionais da televisão brasileira: o Roda Viva, da TV Cultura, no ar desde 1986.

A participação do pré-candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin no programa desta segunda-feira motivou o maior pico de referências por hora ao tucano no Twitter este ano: foram de aproximadamente 8,4 mil menções por volta das 23 horas – média de pouco mais de 140 tuítes por minuto, segundo levantamento realizado pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (DAPP). Na sexta-feira anterior, Alckmin tinha fechado aliança com partidos do Centrão (PR, PP, SD, DEM e PRB), o que assegurará ao tucano o maior tempo por dia de propaganda eleitoral televisiva dentre os candidatos: 4 minutos e 46 segundos. Segundo a análise da DAPP, no dia do anúncio da aliança, foram cerca de 41 mil citações ao ex-governador de São Paulo, superior ao dia da entrevista, que gerou ao todo 37,8 mil referências. Numa busca no Google, no entanto, o Roda Viva provocou o maior interesse pela figura de Alckmin no ano.

A entrevista do pré-candidato do PSOL, Guilherme Boulos, foi ao ar na mesma semana em que o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa utilizou o Twitter para anunciar que não disputaria a Presidência. A decisão gerou ampla discussão, mas não mais que a entrevista do psolista. Na semana do dia 7 de maio, ele foi citado 119,7 mil vezes no Twitter. Normalmente abaixo de Barbosa em termos de interesse no Google, Boulos registrou 13 pontos acima do ex-ministro no dia. Foi o maior desempenho do psolista nas buscas durante todo o período de pré-campanha.

Um dos mais polêmicos deste ano, responsável por levantar discussões sobre o machismo no debate político, foi o Roda Viva da pré-candidata pelo PCdoB, Manuela D’Ávila. Do dia do programa, 25 de junho, até quarta-feira, 27, ela foi citada 200 mil vezes no Twitter, registrando uma marca normalmente reservada a Lula e Bolsonaro. No Google, o dia da entrevista também foi de pico nas menções à pré-candidata. Na busca do YouTube, o programa que entrevistou D’Ávila foi o que gerou maior interesse, superando até mesmo o episódio que entrevistou o juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, campeão do ano em buscas no Google. A entrevista também impulsionou as menções a Bolsonaro. No dia seguinte ao da entrevista, o candidato do PSL, que tem média diária de 35 mil citações em tuítes, atingiu 57,8 mil menções, dada a participação de um de seus coordenadores de campanha no programa. No Google Trends, Bolsonaro é a quinta pesquisa relacionada feita com mais frequência em combinação com ela.

Pré-candidato pelo PDT, Ciro Gomes gerou mais interesse por outro episódio: o “pescotapa” que deu no youtuber Arthur do Val, conhecido como “Mamaefalei”, no dia 9 de abril, foi o assunto que mais gerou buscas pelo nome do pedetista no Google e no YouTube no primeiro semestre do ano. Em segundo lugar, a entrevista do candidato ao Roda Viva, no dia 28 de maio, em plena paralisação dos caminhoneiros, foi a mais procurada no Google de todas as entrevistas de candidatos ao programa. No Twitter, foi mencionado 38,5  mil vezes na segunda-feira, dia da entrevista, e 54,8 mil no dia seguinte. Em terceiro lugar em quesito de interesse a respeito de Ciro, está o episódio em que o candidato xingou a promotora que pediu investigação contra ele, um mês depois de ele ter chamado o vereador de São Paulo Fernando Holiday de “capitão do mato”, no dia 18 julho.

Pré-candidato do Novo, João Amoêdo teve pico de importância também na semana de sua entrevista no Roda Viva no dia 21 de maio, assim como Álvaro Dias, pré-candidato do Podemos, no dia 4 de junho. O ex-presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, pré-candidato pelo PSD teve o maior índice de buscas por seu nome no Google dos últimos cinco anos no dia de sua entrevista ao programa, em 9 de julho.

Apenas dois pré-candidatos não se aproveitaram do pico de interesse nas redes por conta da entrevista ao programa da TV Cultura: Marina Silva (Rede), que gera mais interesse quando são divulgados resultados de pesquisa de intenção de votos, e o ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (MDB).

Os picos causados pela exposição gratuita em programas como o Roda Viva devem se tornar uma estratégia comum para a disputa de outubro. Com caixas de campanha bem mais vazias do que a de eleições anteriores, eventos que causem a visibilidade nas redes sociais podem se tornar uma arma eleitoral cada vez mais importante.

Fonte: Piauí / Marcela Ramos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.