A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, fez um apelo para que Washington renunciasse os seus planos de polarizar os militares venezuelanos.

© REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

“Pedimos a eles que abandonem suas ações destinadas a dividir as Forças Armadas venezuelanas, esta instituição deve defender a ordem constitucional e não participar dos assuntos de política interna”, disse Zakharova.

Durante a coletiva de imprensa semanal, a diplomata também condenou as novas sanções dos Estados Unidos contra Cuba.

“Essas ações, em primeiro lugar, afetam os interesses dos cidadãos comuns, privando-os de seus direitos e liberdades fundamentais, o que Washington parece defender com tanto zelo”, declarou o porta-voz.

A Venezuela está enfrentando crise política, que foi agravada no dia 23 de janeiro com a autoproclamação de Juan Guaidó como presidente interino do país. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que assumiu segundo mandato em 10 de janeiro após eleição legítima, considerou a declaração de Guaidó uma tentativa de golpe de Estado e culpou os EUA por orquestrá-la.

Rússia, China, Cuba, Bolívia, Irã, Turquia e outros países apoiam o governo de Maduro. Moscou descreveu o “status presidencial” de Guaidó como inexistente. Do outro lado, União Europeia, EUA e grande parte dos países latino-americanos, incluindo o Brasil, prestam apoio a Guaidó.

Fonte: Sputnik