Sergio Moro se irritou com a pergunta sobre a declaração do ‘novo AI-5’ (Ato Institucional nº 5), feita pelo deputado Eduardo Bolsonaro, mas minimizou o debate criado

CURITIBA,PR,01.11.2019:MORO-INAUGURAÇÃO-DELEGACIA-PF-PR – O Ministro da Justiça, Sérgio Moro, durante inauguração da primeira Delegacia Modelo de Investigação e Análise Financeira da Polícia Federal em Curitiba (PR), nesta sexta-feira (01). Esta delegacia pretende institucionalizar práticas de sucesso investigativo, fortalecendo inquéritos digitais e buscando uma atuação menos burocrática e mais efetiva no combate aos crimes financeiros e de corrupção. . (Foto: Cassiano Rosário/Futura Press/Folhapress)

O ministro da Justiça e Segurança Pública esteve em Curitiba, nesta sexta-feira (1), para a inauguração da primeira Delegacia Modelo de Investigação e Análise Financeira no Brasil.

“Vou pedir para você me explicar como isso se relaciona com a questão da delegacia. Mas, enfim, isso foi ontem e o deputado já pediu desculpas, então assunto encerrado”, disse.

Contudo, nenhuma pergunta feita pelos jornalistas durante a entrevista coletiva teve a ver com o projeto inaugurado na PF (Polícia Federal).

Antes da questão sobre o filho do presidente Jair Bolsonaro, Moro já tinha expressado descontentamento com os temas abordados: “A próxima pergunta tem de ser da delegacia. Chega de dar esse tipo de permissão, está um pouquinho demais”, afirmou.

A POLÊMICA DECLARAÇÃO DO AI-5

Em entrevista à jornalista Leda Nagle, Eduardo Bolsonaro disse que, se a esquerda radicalizar, a resposta do governo poderia ser um ‘novo AI-5’.

O período é reconhecido com o maior duro da ditadura militar.

Na época, o Congresso Nacional e Assembleias, com exceção em São Paulo, foram fechados e torturas se tornaram comuns. A afirmação gerou muita repercussão: Rodrigo Maia, Marco Aurélio Mello, Davi Alcolumbre, Joice Hassellmann e Fernando Haddad foram alguns que reagiram à declaração.

Contudo, Eduardo recuou seu posicionamento após críticas do presidente, e seu pai, Jair Bolsonaro.

eduardo bolsonaro ai-5
Deputado Eduardo Bolsonaro causou muito debate com grave declaração. (Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

MORO SOBRE MARIELLE: REFERÊNCIA FALSA A BOLSONARO

Sergio Moro também repercutiu sobre a solicitação que fez à PGR (Procuradoria Geral da República) para que fosse aberto um inquérito para investigar as declarações do porteiro na investigação sobre o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes.

A fala do funcionário foi base de uma reportagem da Rede Globo. O material mostra que Élcio Queiroz, apontado como o suspeito de dirigir o carro de onde saíram os disparos que mataram Marielle e Anderson, solicitou entrada no condomínio por volta das 17h e comunicou que iria para o apartamento do presidente.

“A conclusão provisória é de que houve tentativa de obstrução e agora surgiu esse novo episódio.Como havia uma referência falsa ao nome do presidente, foi solicitado que os fatos fossem completamente apurados pela PF, sendo no caso competência da Justiça Federal”, disse.

“A expectativa é que essa nova investigação sirva tanto para aclarar esses fatos mais recentes, mas que, de alguma forma, contribua também com a investigação desses assassinatos”, completou.

ÓLEO NAS PRAIAS

óleo, vazamento, praias, cidades, nordeste, brasil, empresa grega, grécia, navio, embarcação
Manchas de óleo vão poluindo dezenas de praias no Brasil. (Adema/Governo de Sergipe)

O tema mais abordado por Moro foi a Operação Mácula, deflagrada hoje. A ação investiga uma empresa grega suspeita de operar o navio que pode ter causado o derramamento de óleo que atingiu mais de 250 praias do nordeste do Brasil.

“Fui informado sobre essa investigação. É extremamente complexa, fora dos padrões usuais da PF. Hoje foram deflagradas as operações de buscas afim de buscar as confirmações das suspeitas já existente”, disse Moro antes de passar a palavra para Maurício Valeixo, diretor-geral da Polícia Federal.

O superintendente afirmou que a operação entra em uma fase de cooperação jurídica internacional e que é um trabalho extremamente complexo. Além disso, ressaltou que as investigações se concentram fisicamente na Polícia Federal do Rio Grande do Norte “por uma questão de estratégia”.

Fonte: Paraná Portal

Gestor de SMS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *