As gêmeas Mel e Lis foram separadas depois de quase 11 meses, em cirurgia inédita no DF  — Foto: Foto: Luci Vânia

As gêmeas Mel e Lis foram separadas depois de quase 11 meses, em cirurgia inédita no DF — Foto: Foto: Luci Vânia

As gêmeas siamesas Mel e Lis, separadas por uma cirurgia inédita no DF, há 5 dias, já respiram sem a ajuda de aparelhos. Mel saiu do coma induzido nesta quinta-feira (2), Lis acordou na terça (30).

As duas se recuperam bem, segundo os médicos. Nesta quarta (1º), as gêmeas completaram 11 meses.

Rodrigo Martins e Camila Vieira pais de Lis e Mel, operadas em Brasília, enquanto esperavam pela saída das gêmeas do centro cirúrgico — Foto: Humberto Sousa/Divulgação

Rodrigo Martins e Camila Vieira pais de Lis e Mel, operadas em Brasília, enquanto esperavam pela saída das gêmeas do centro cirúrgico — Foto: Humberto Sousa/Divulgação

Camila Vieira e Rodrigo Aragão, os pais de Mel e Lis, souberam que elas estavam unidas pelo crânio no segundo mês de gestação.

As meninas nasceram no dia 1º de junho do ano passado no Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB), um hospital público da capital. Com dois meses de vida, elas começaram a ser preparadas para a cirurgia de separação que foi feita pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Hospital da Criança de Brasília José Alencar.

Gêmeas siamesas separadas por cirurgia no DF — Foto:  Foto: Arquivo pessoal

Gêmeas siamesas separadas por cirurgia no DF — Foto: Foto: Arquivo pessoal

Dividido em 36 etapas, o procedimento – considerado raro e de alta complexidade – começou às 6h30 do último sábado (27) e só terminou às 2h30 de domingo (28).

Ao todo, 50 profissionais da área de saúde, incluindo estrangeiros, participaram. De acordo com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal, foi a primeira vez que uma cirurgia desse tipo foi feita em Brasília, a terceira vez no Brasil e a décima no mundo.

“Os casos de craniópagas são raríssimos”, informou a pasta.

Cirurgia de separação das gêmeas no Hospital da Criança — Foto: Humberto Sousa/ Divulgação

Cirurgia de separação das gêmeas no Hospital da Criança — Foto: Humberto Sousa/ Divulgação

O procedimento, além de raro, exigiu extremo cuidado, explicam os médicos. Agora, eles esperam que em duas semanas Mel e Lis já possam ir para o quarto.

Fonte: G1

2-2 PG - Infotech
3-2 PG - Espaço Regional
1-1 PG ELETRIBEL