Com delação premiada, pena de Melquizedeque de Souza foi reduzida de 28 anos e dez meses de reclusão para nove anos e sete meses; outros oito réus foram condenados

(Foto: Reprodução / RPC)

O ex-secretário de Tecnologia da Informação de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, Melquizedeque Correa Souza foi condenado por fraude no recolhimento do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e recebimento de propina. A advogada do ex-secretário, Ariane Defassi, informou que não vai recorrer da decisão.

Outros oito réus na ação penal originada da Operação Lothur também foram condenados, e um absolvido.
Em 2015, durante a operação deflagrada pelo Gaeco, quatro suspeitos de participação no esquema chegaram a ser presos, entre eles o ex-secretário.



A investigação iniciada em 2014 apontou que Melquizedeque tinha acesso às senhas do banco de dados da prefeitura e junto com um funcionário público recebeu propinas para reduzir os valores do ITBI.

De acordo com a sentença da juíza da 1ª Vara Criminal, Claudia Mello Cestarolli, com a delação premiada, a pena do ex-secretário foi reduzida de 28 anos e dez meses de reclusão para nove anos, sete meses e dez dias.

Conforme o Ministério Público do Paraná (MP-PR), Melquizedeque aceitou devolver R$ 150 mil. Neste valor estão incluídos o que ele teria recebido em propinas e multas.

O início do cumprimento da pena será em prisão domiciliar e com o uso de tornozeleira eletrônica por três anos. Melquizedeque poderá sair de casa para trabalhar, mas não poderá deixar a cidade sem autorização da justiça.
Entre os demais condenados estão funcionários de cartórios, empresários e despachantes imobiliários, com penas que variam de dois a dois anos de reclusão. Com exceção do ex-secretário, todos poderão recorrer em liberdade.

Fonte: G1