De perfil discreto, Rosa Weber é ministra do Supremo Tribunal Federal desde 2011, quando foi nomeada por Dilma Rousseff

A ministra Rosa Weber assume nesta terça-feira (13) a presidência do Tribunal Superior Eleitoral e estará à frente da Corte no que promete ser uma das eleições mais acirradas da história.

Ela entra no lugar do ministro Luiz Fux, que ficou pouco mais de seis meses no comando. Na última sessão comandada por ele, nesta segunda, Fux se emocionou.

De perfil discreto, Rosa Weber é ministra do Supremo Tribunal Federal desde 2011, quando foi nomeada por Dilma Rousseff. Faz parte da ala mais rígida e “punitiva” do STF, ao contrário de ministros como Gilmar Mendes e Dias Toffoli, tidos como “garantistas”.

Em abril deste ano, deu um voto decisivo contra o pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula, mesmo sendo pessoalmente contra a prisão após condenação em segunda instância.

No ano passado, votou a favor da cassação da chapa Dilma-Temer no TSE, mas foi voto vencido.

Rosa Weber estará no comando da Justiça Eleitoral durante o imbróglio judicial que deve decidir pela impugnação da candidatura de Lula à Presidência da República.

O PT vai tentar estender o processo até onde for possível por meio de recursos, mas a tendência é que a situação se resolva até o início de setembro. A candidatura de Lula vai ser registrada nesta quarta (15) no TSE. Os petistas esperam um ato com até 20 mil pessoas em apoio ao ex-presidente no Tribunal.

Fonte: Jovem Pan/ Levy Guimarães