Clube pede pagamento de indenizações, além de condenação por acidente aéreo em novembro de 2016

Foto: Fredy Builes/Reuters

A Chapecoense entrou na Justiça com pedido de indenização contra órgãos do governo da Bolívia e contra a seguradora da LaMia, a boliviana Bisa, um ano depois do acidente aéreo, que deixou 71 mortos e seis feridos no dia 29 de novembro de 2016.

A ação foi ajuizada na 4ª Vara Cível da Comarca de Chapecó, no Oeste catarinense, no início da madrugada desta quarta-feira (29) durante o plantão da Justiça na cidade, segundo a assessoria de imprensa do time.

Continua depois da publicidade



“Pela medida judicial a Associação Chapecoense de Futebol requer a condenação e o pagamento das indenizações decorrentes dos danos causados pelo acidente aéreo ocorrido em 29 de novembro de 2016”, informou a Chapecoense.

O clube não informou a quais órgãos do governo bolivianos é destinado o pedido de indenização nem quais os valores solicitados. Segundo o clube, detalhes sobre o pedido de indenização só serão repassados no início de dezembro, após reunião do Conselho Gestor da Chapecoense.
A seguradora Bisa se negou a pagar o seguro de US$ 25 milhões porque entendeu que o piloto e dono da empresa, Miguel Quiroga, deliberadamente voou sem combustível, colocando em risco a segurança da aeronave e dos passageiros.

Até agora ninguém foi indenizado. A Bisa se propôs a dar US$ 200 mil para cada família de passageiro, por “razões humanitárias”, desde que os familiares desistam de processar pessoas ligadas à LaMia. Esse valor não foi aceito até o momento.

O acidente

O avião partiu na noite de 28 de novembro de 2016 de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, com destino a Medellín, na Colômbia, onde a Chapecoense iria disputar a primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional. O jogo estava marcado para o dia 30 de novembro. A aeronave caiu a poucos quilômetros da cidade colombiana, à 1h15 (horário de Brasília) de 29 de novembro de 2016.

Os governos da Colômbia, Bolívia e Brasil estão envolvidos nos processos investigativos.

Fonte: ESPN

Gestor de SMS