Especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil concordaram que a visita do presidente Jair Bolsonaro ao Oriente Médio foi bem sucedida, mas divergiram sobre possível impacto de transferência da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém

© AP Photo / Jon Gambrell

Durante tour pela Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Qatar,  o mandatário disse que a transferência da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém “pode acontecer”.

A mudança da embaixada tinha ficado em segundo plano desde que o governo brasileiro decidiu não levar a questão adiante, contentando-se em abrir um escritório de representação comercial em Jerusalém, sem status diplomático. A capital de Israel é um ponto de disputa entre palestinos e israelenses e a maioria dos países do mundo mantêm suas embaixadas em Tel Aviv.

“Acho que é um passo o escritório comercial. Acho que mais cedo ou mais tarde naturalmente pode acontecer a transferência da embaixada”, afirmou Bolsonaro em Doha, no Qatar, segundo citado pelo portal G1.

Transferência ‘não seria entrave’

Para o jornalista saudita radicado no Brasil Rasheed Abou-Alsahm, uma possível transferência da representação diplomática “não seria um entrave para os países do golfo, como Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Kuwait e Qatar, que estão se alinhando mais com Israel por causa da ameaça comum que veem no Irã”.

Já para o Ali Houssein El-Zoghbi, vice-presidente da Fambras (Federação das Associações Muçulmanas do Brasil), o assunto tem potencial para atrapalhar os negócios entre o Brasil e as nações árabes.

‘Pode prejudicar muito’

“Ainda há uma preocupação com a postura do governo brasileiro, embora o foco da viagem tenha sido a área econômica. É uma questão muito delicada, a questão palestina e a questão de Israel. É praticamente um problema sem solução até o momento, que pode trazer instabilidade entre países. Acredito que no momento isso está sendo colocado em segundo plano, mas se houver verbalização novamente desse tipo de situação e for colocado em foco, pode prejudicar, e muito, a relação entre o Brasil e os países árabes”, afirmou El-Zoghbi para a Sputnilk Brasil.

Um dos motivos apontados para o recuo do governo Bolsonaro sobre a embaixada foi justamente o econômico. Os países árabes são grandes importadores de produtos brasileiros, principalmente carne e frango.

Sucesso comercial

Em relação aos negócios, os dois especialistas concordam que a viagem de Bolsonaro alcançou seus objetivos, uma aproximação dos países árabes e a busca por investimentos.

“As relações de negócios do Brasil com os países árabes do golfo são muito importantes, esses países importam muita produção agrícola, carne e frango do país. A Arábia fornece 33% das importações de petróleo do Brasil. Então tem uma soma de negócios muito importante”, disse Abou-Alsahm à Sputnik Brasil.

Segundo ele, os desentendimentos foram superados e o comércio deve prosperar. O jornalista citou os fundos soberanos com recursos do petróleo. “Os investimentos devem aumentar. Fundos soberanos dos Emirados e da Arábia estão investindo no Brasil. Especialmente dois fundos dos Emirados, que estão investindo em autoestradas, infraesutura e mineração.

Abou-Alsahm disse ainda que os países árabes olham para o Brasil como uma fonte segura de alimentos. “Os países do golfo são a maioria desertos, não têm fontes de água potável, então estão investindo no Brasil e Argentina, comprando fazendas. Eles precisam do feno para alimentar o gado na Árabia Saudita. A Almarai , empresa de laticionos, tem a maior fazenda de vacas leiteiras do Oriente Médio. São relações estratégicas para os países do golfo”, explicou.

O vice-presidente da Fambras, por sua vez, afirmou que Bolsonaro foi recebido com honrarias de alto nível nos países visitados, o que demonstra a importância do Brasil para os países do golfo.

“Acredito que ouve uma intensificação do diálogo entre o Brasil e os países árabes bastante relevante. A gente percebe pela linha dos setores abordados: paz e segurança, cooperação econômica, meio ambiente e principalmente defesa. Acordos em setores relevantes”, disse El-Zoghbi.

Ele também mencionou os fundos soberanos, apontados como um dos principais motivos da viagem pelo especialista: “São recursos vultuosos, que podem ser usados em países emergentes”.

Após visitar o Japão e a China, Jair Bolsonaro seguiu para os Emirados Árabes Unidos e depois para Qatar. Nesta segunda-feira (28), ele desembarcou na Arábia Saudita, última escala de seu giro pelo Oriente Médio.

Fonte: Sputnik News

Gestor de SMS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *