Quem está se preparando para o Enem sabe que a redação é um dos maiores desafios da prova. Além de ter que arrasar na construção do texto e exposição das ideias, o estudante precisa ter conhecimento suficiente sobre o tema que será abordado

1. A PRÁTICA DO BULLYING E CYBERBULLYNG NAS ESCOLAS ESCOLAS BRASILEIRAS

Um dos temas de Redação para o Enem 2018 mais cotados é a prática de bullying e cyberbulling nas escolas brasileiras. O tema é atual e tem sido alvo de muitas discussões. Por isso, é um grande candidato para o Enem.

Bullying significa uma situação em que são utilizadas agressões intencionais que podem ser físicas ou verbais, de forma repetitiva. A agressão pode ser feita por uma ou mais pessoas — geralmente adolescentes em fase escolar — contra um ou mais colegas.

Já o cyberbullying consiste no uso de tecnologias de informação e comunicação para incentivar comportamentos agressivos praticados por um ou mais indivíduos.

De acordo o Pisa — Programa Internacional de Avaliação de Estudantes —, 17,5% dos estudantes das escolas brasileiras, na faixa de 15 anos, revelaram terem sido alvo de algum tipo de bullying.

Atualmente é é muito comum tanto o bullying quanto o cyberbullying em escolas e, na maioria das vezes, eles caminham juntos.

Com a perspectiva de evitar esse tipo de comportamento, entrou em vigor a lei antibullying, que prevê diversas ações contra esse tipo de violência, principalmente nas escolas. Mas, apesar dos diversos casos de bullying e cyberbullying todo ano, a lei ainda esbarra em problemas de fiscalização e por falta de práticas preventivas.

Segundo Luciene Tognetta, que é especialista em psicologia escolar pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), falta monitoramento dos casos de bullying. Além disso, existe ainda uma grande dificuldade em estudar e entender o assunto.

2. O AUMENTO DE DST’S ENTRE OS JOVENS BRASILEIROS.
De acordo com dados do Ministério da Saúde, só em 2005, o número de casos de HIV passaram de 16,2% para 33,1% em um grupo de 100 mil habitantes entre as idades de 20 a 24 anos.

O HIV representa apenas uma das DST’s comuns entre os jovens. Hepatite C, gonorreia, sífilis, herpes genital, HPV, clamídia e outras doenças têm crescido nas estatísticas entre os jovens brasileiros.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo, os casos de sífilis no estado tiveram um crescimento de 603% em apenas 6 anos. No que se refere à Aids, é preocupante o número de infecção entre os jovens. Ainda segundo dados do Ministério da Saúde, o número de casos entre jovens cresceu 35,3% em 2014.

Diante desses números, é preciso criar propostas de intervenções e soluções para barrar esse crescimento. É preciso trabalhar a educação de forma mais assertiva entre os jovens. Se antes o HIV, por exemplo, assustava por ser uma sentença de morte, hoje não causa tanto medo.

Por isso, todas as DST’s devem ser discutidas, inclusive entre os país e na escola, com foco na valorização da vida e nas consequências negativas da doença.

3. A POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA NO BRASIL
De acordo com a Secretaria Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, existia em 2016 cerca de 14,2 mil pessoas em situação de moradia nas ruas da cidade. Estima-se, inclusive, que esse número aumentou 150% nos últimos quatro anos.

Infelizmente, essa é uma realidade comum nas capitais brasileiras. Apesar de existir legislação para garantir serviços como saúde e educação para as pessoas moradoras de rua, essas pessoas vivem com muita dificuldade.

O Plano Nacional para População em Situação de Rua, instituído em dezembro de 2009, não tem sido suficiente para levar saúde, educação, moradia e dignidade para essas pessoas. Isso mostra que, mais do que uma lei, os moradores de rua precisam de políticas públicas dos estados e municípios para que a lei seja colocada em prática.

4. DIVULGAÇÃO DE FAKE NEWS E SEUS IMPACTOS

Com o aumento do uso das redes sociais, um termo tem sido muito utilizado pelos internautas: fake news. Apesar do termo parecer inofensivo, seus efeitos podem ser devastadores para indivíduos e para a sociedade.

Fake news são mentiras revestidas de artifícios que fazem com que elas sejam tidas — e compartilhadas — como verdades. O que faz com que elas sejam tão perigosas é a escala em que são difundidas.

Uma das consequências dessas notícias é o fato de colocar em xeque as demais notícias, fazendo com que seja muito difícil descobrir qual está com a verdade. Infelizmente, essas ações têm influenciado bastante o público — principalmente nas redes sociais —, afetando não só a vida política e social do país, mas também de figuras públicas. É o caso da vereadora Marielle Franco, assassinada recentemente no Rio de Janeiro. Ela teve fatos sobre sua vida distorcidos e criados com o objetivo de difamá-la e desconstruir sua trajetória política e social.

Existe um projeto de lei que pretende criminalizar a divulgação ou o compartilhamento de informação falsa ou incompleta na internet. Criado pelo Deputado Luiz Carlos Hauly, do PSDB-PR, o projeto prevê detenção de 2 a 8 meses e pagamento de multa.

5. ESCRAVIDÃO CONTEMPORÂNEA E SEUS EFEITOS
Essa é outra opção que está cotada para os temas de Redação para o Enem 2018. Com a recente mudança feita pelo Governo de Michel Temer por meio de uma portaria, o assunto volta a ficar em evidência, levando a vários debates.

Antes dessa mudança, os conceitos utilizados para determinar o que é trabalho escravo eram da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do Código Penal Brasileiro. Isso quer dizer que, antes, a condição análoga à de escravo era a submissão a trabalhos forçados.

Com a nova portaria, o trabalho só será considerado análogo à de escravo se houver submissão a trabalho exigido sob ameaça de punição. Isso abriu margens para diversas críticas, inclusive de juízes, procuradores e auditores fiscais do trabalho .

Entidades que representam auditores fiscais do trabalho, juízes e procuradores criticam a mudança feita pelo governo e avaliam que a nova regra é um retrocesso no combate ao trabalho escravo no país.

Segundo eles, a nova regra representa um retrocesso e pode barrar o combate ao trabalho escravo no país. Outra mudanças que a nova portaria trouxe são:

jornada exaustiva foi substituído por: restrição de transporte para reter trabalhador no local de trabalho em razão de dívida;
condições degradantes de trabalho: uso de segurança armada para reter trabalhador em razão de dívida;
restrição da locomoção em razão de dívida: retenção da documentação pessoal do trabalhador.
Está se preparando para o Enem 2018? Não deixe de conferir o Manual de Redação do Enem e os 10 passos para tirar nota mil.

6. OS OBSTÁCULOS PARA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS NO BRASIL
A doação de órgãos pode salvar vidas e isso não é novidade para ninguém. Mas, os números ainda não são os mais favoráveis. De acordo com dados da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), 47% das famílias se recusam a doar órgão de parente com morte cerebral, em 2013. E o pior é que esse número cresceu, já que em 2012 o número era 41%.

Segundo o nefrologista José Medina Pestana, o problema não é a falta de estrutura, mas a negativa familiar em doar os órgãos. Medina diz ainda que as famílias justificam que a negativa se deve ao fato de nunca terem conversado com seus parentes sobre o desejo de doar ou não.

Isso abre brecha para a importância de declarar o desejo de ser doador de órgãos. Esse é um assunto que precisa ser tema de debate. Só assim, será possível mudar as estatísticas e salvar mais vidas.

7. OS PERIGOS DA AUTOMEDICAÇÃO NA CULTURA BRASILEIRA
Quem nunca tomou um remédio por conta própria? Infelizmente, esse é um hábito comum da população brasileira.

A automedicação — que é o uso de medicamentos por conta própria ou por indicação de pessoas não habilitadas para tratamento de doenças — pode levar a consequências graves.

Algumas delas são:

agravamento de doenças;
aumento da resistência de microorganismos;
anular ou potencializar o efeito de outro medicamento;
reações alérgicas;
dependência; e até
morte.
É preciso muita atenção na hora de utilizar um remédio. É preciso, ainda, ficar atento a propagandas e anúncios que induzem ao consumo de medicamentos. O assunto é tão sério que a intoxicação por medicamentos ocupa o topo na lista de intoxicação em todo o Brasil.

Os analgésicos, anti-inflamatórios e antitérmicos são os mais consumidos sem prescrição médica. Apesar de parecerem inofensivos, eles podem levar a uma das consequências que citamos acima.

Para diminuir os casos de intoxicação por automedicação, é necessário um trabalho sério de educação. Lutar contra um hábito que vem desde muito tempo não é fácil. Mas, com campanhas educativas com foco nas suas consequências pode ser um bom começo.

8. OS DESAFIOS NO COMBATE A OBESIDADE NO BRASIL
Segundo informações de uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde, o número de pessoas obesas — índice de massa corporal a partir de 30 — aumentou nos últimos 10 anos. O aumento foi de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016.

O números são tão preocupantes que o Ministério da Saúde assumiu compromissos que fazem parte dos eventos da Década das Ações das Nações Unidas para a nutrição. O objetivo é diminuir a obesidade no Brasil, promovendo acesso a todos a dietas mais saudáveis.

Dentre as metas do governo, podemos citar:

barrar o crescimento da obesidade na população adulta no país até 2019;
Aumentar o consumo de hortaliças e frutas em 17,8%; e
reduzir o consumo de sucos artificiais e refrigerantes em 30%.
Além disso, o Governo pretende levar conscientização às escolas públicas por meio de campanhas que estimulem a alimentação saudável desde cedo.

Segundo o Ministro da Saúde, por meio dessas ações as crianças podem aprender sobre a importância da alimentação e do manuseio de alimentos e também da prática de atividade física. Desse modo, os índices de obesidade infantil — cerca de 18% das crianças brasileiras —, podem reduzir.

O assunto é tão preocupante que os números de casos de obesidade no Brasil são maiores que de pessoas com fome. Desse modo, o que precisa ser feito é ensinar as pessoas a se alimentar corretamente e incentivá-las e se movimentar mais.

9. A DEMARCAÇÃO DE TERRAS E A SOBREVIVÊNCIA DA CULTURA INDÍGENA

Os indígenas no Brasil têm um passado bastante dramático e, apesar de todas as dificuldades que ao longo das décadas, sua população voltou a crescer. O motivo para esse crescimento não se deve necessariamente à taxa demográfica e sim pelo aumento do número de pessoas que se reconhecem como indígenas.

Segundo dados do Censo feito em 1992 no Brasil — quando indígena foi considerado raça pela primeira vez — 294 mil pessoas se declararam indígenas (0,2% da população brasileira). No entanto, dados mais recentes (Censo 2010) mostraram que esse número subiu 890 mil, distribuídos em 305 etnias.

Com esse crescimento, vieram também a necessidade de direitos. E, apesar de existirem diversos projetos de emenda constitucional e projetos de lei, os indígenas ainda enfrentam bastante dificuldades, principalmente no que se refere às demarcações de terras.

A PEC 215, por exemplo, altera as regras de demarcações de terras indígenas e quilombolas representa um retrocesso para essa população. O motivo é que a PEC transfere para o Congresso Nacional o poder de demarcação dessas terras.

10. O ESPORTE COMO FERRAMENTA DE INCLUSÃO SOCIAL NO BRASIL
Inclusão social é um assunto atual e pode ser um dos temas de Redação para o Enem 2018, principalmente por se tratar de um ano de copa de mundo. Por isso, vale a pena destacar que o esporte é uma das ferramentas inclusivas de maior destaque hoje em dia.

Além dos benefícios para a saúde física e mental, o esporte proporciona acesso a novos ciclos sociais, promovendo diversão e ocupação, principalmente para jovens e crianças em condições mais desfavoráveis.

Os programas sociais ligados ao esporte no país estão mudando a vidas nas comunidades carentes, ensinando fundamentos como disciplina, trabalho em equipe, respeito às regras etc. Além disso, promovem interação e favorecem a saúde física e psicológica de crianças de jovens que poderiam ceder à criminalidade por falta de oportunidade.

Um exemplo que pode ilustrar isso é o projeto fluminense Segundo Tempo/Viva Rio. Segundo estatísticas, 99,2% dos jovens entre 7 e 24 anos atendidos no estado estão frequentando a escola. Esses são dados animadores e mostram que projetos como esse realmente fazem a diferença na vida de muitas pessoas.

Agora que você conferiu os temas mais prováveis para a Redação do Enem, veja um reportagem do programa Hora do Enem com outros possíveis assuntos:

Fonte:Foco no ENEM